Você já ouviu falar em Internet das Coisas (do inglês, Internet of Things ou IoT)? Ela é conhecida como um conjunto de tecnologias que permite a comunicação e o compartilhamento de dados entre sensores, carros, eletrodomésticos, dispositivos vestíveis e tantos outros. A ideia é atender objetivos diversos, inclusive no mundo dos negócios.

Dispositivos voltados para saúde, transporte, agronegócios, indústria e logística já estão em operação ao redor do mundo e no Brasil. Outras soluções seguem em fase de testes para lançamento em breve.

Além de uma simples tecnologia, a Internet das Coisas é a união de várias inteligências artificiais para resolver problemas, gerando valor e velocidade para processos específicos.

A conexão entre esses dispositivos permite a interação e troca de informações, seja por internet, Wi-Fi, Bluetooth ou canais de VHF, UHF e HF entre outros. Dificilmente você não se deparou com algo ligado à Internet das Coisas, pois ela já está presente na automação de residências – as famosas casas inteligentes -, em carros inteligentes e na agricultura autônoma.

E esses são apenas os exemplos mais populares. A Internet das Coisas é capaz de muito mais. Confira!

Segurança

No Brasil, a Internet das Coisas ficou mais relevante, de forma específica, no ambiente do Agronegócio, tornando o país mais produtivo e auxiliando na diminuição do desperdício ao utilizar melhor os recursos existentes e disponíveis.

Contudo, uma vez que a ferramenta conecta dispositivos para lidar com dados tão sensíveis em apenas uma rede, é preciso ter atenção máxima na segurança. O software usado precisa de proteção de ponta a ponta em todas as comunicações até chegar na nuvem, do contrário, ele será sensível à entrada de hackers e usos maliciosos.

Para ajudar a entender essa necessidade e assegurar isso, é importante dominar a básica do funcionamento da Internet das Coisas e evitar falhas mínimas em seu sistema, que se divide em 5 partes:

  • Device
  • Firmware
  • Connectivity
  • Cloud Platform
  • Cloud App

Ao iniciar no mundo da Internet das Coisas, é fundamental se preocupar com os dados. Em um mundo conectado, eles são essenciais, por isso a forma de lidar e tratar cada um deles deve ter a mesma relevância, assim como sua coleta e o desenho dos sistemas. Tudo isso influencia no bem-estar futuro de uma empresa.

As boas informações tornam um negócio competitivo e a digitalização auxilia tanto na tomada de decisões mais rápida quanto na antecipação de problemas, riscos e tendências que colocam a empresa à frente das concorrentes.

Motivos para adotar a Internet das Coisas

Formas inovadoras de gerenciar e operar remotamente muitos processos permitem que organizações, por meio da Internet das Coisas, supervisionem locais remotos enquanto informações são alimentadas continuamente e armazenadas.

O baixo custo das “coisas” também mostra o quanto a tecnologia está acessível e disponível para os mais variados tipos de negócios. Não é preciso sistemas complexos para obter e lidar com dados da Internet das Coisas.

Estudo liderado pelo BNDES, em parceria com o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicação (MCTIC) e conduzido pelo consórcio McKinsey/Fundação CPqD/Pereira Neto Macedo, mostra que o impacto da Internet das Coisas na economia global será de 4% a 11% do PIB mundial em até cinco anos, o que corresponde entre 3,9 e 11,1 trilhões de dólares.

Desse potencial, até 40% deve ser captado por economias emergentes e, no caso do Brasil, estima-se que 50 a 200 bilhões de dólares resultarão desse movimento econômico anual em 2025.

Aplicação

Veja alguns exemplos de como usar a Internet das Coisas nos negócios.

  • Comércio Inteligente: com sensores responsáveis por coletar desde o funcionamento de câmeras de vigilância até o consumo de energia elétrica e a entrada de clientes; e sensores de movimento conectados ao sistema da empresa para medir o número de pessoas que entram na loja e criar dados para captar o efeito de campanhas, promoções e popularidade de produtos. Interessante para integrar setores estratégicos, como o de vendas e o marketing.
  • Meios de pagamento: o pagamento sem contato será uma exigência do cliente nos próximos anos, principalmente após as alterações de consumo causadas pela pandemia. O NFC já é uma tecnologia de pagamento comum em vários países – e, no Brasil, cada vez mais máquinas de cartão já trabalham com essa possibilidade. A tecnologia permite que as pessoas paguem usando seus smartphones, relógios e pulseira inteligentes ou até mesmo cartões em versão sem contato, de forma segura e prática.
  • Serviços de entrega: o uso de drones para entregas já está se popularizando, principalmente no varejo. Em breve, essa será uma opção possível para muitos setores.

Já conhecia a utilização da Internet das Coisas nos negócios? Não deixe de compartilhar com a gente nos comentários ?

Mais recentes

Imagem blog

Digitalização de empresas: o presente e o futuro da economia de mercado

Diante da evolução tecnológica, existe uma tendência de digitalização de empresas. É possível perceber esse movimento...
Imagem blog

Desenvolvedor Full Stack: o profissional multitarefa

Empresas buscam cada vez mais por profissionais que tenham habilidades em diversas áreas para uma atuação multidisciplinar...
Imagem blog

Confira as Soft Skills valorizadas nas carreiras em tecnologia

Soft Skills é o termo que se popularizou entre recrutadores e profissionais para identificar habilidades que desenvolvemos a...

Dúvidas?

Atendimento Acadêmico

+55 (19) 2660-3366

Segunda a sexta-feira, das 8h às 23h

infosfaculdade@pecege.com