Power pupils: quem são os alunos empoderados?

Estudante com interesse especial pelo aprendizado e que apresenta talentos inatos a serem desenvolvidos. Se identificou? Essa é a característica dos power pupils, alunos conscientes das próprias habilidades e com forte interesse em promover mudanças sociais.

Atualmente, a principal questão que permeia o ensino está em como não inibir esses cidadãos com grande potencial de transformação. Junto a isso, a tecnologia passa a fazer parte cada vez mais parte da vida cotidiana, o que significa que as pessoas precisam evoluir e ser tão inteligentes quanto ela.

Dentro da sala de aula, um grupo de dispositivos e pensamentos são capazes de revolucionar as práticas aplicadas no ensino contemporâneo. Portanto, não somente as novas gerações enfrentam desafios para caminhar com as inovações do mundo 4.0, como a educação precisa aprender a se adequar a suas mudanças. 

Liderança

Apesar de ser um termo ainda novo, principalmente no Brasil, os power pupils nascem junto a uma ideia de educação contemporânea, que está mais preocupada com o desenvolvimento de líderes, sejam eles agentes em decisões mais assertivas ou em mudanças sociais impactantes.

A liderança começa com o incentivo para que as metas individuais não se restrinjam apenas ao sucesso acadêmico e profissional. Pensar no coletivo, respeitando diferenças e praticando a empatia, é uma qualidade de líderes.

Essa capacidade de liderar exercida pelos power pupils também aprimora competências para levar adiante projetos individuais, dentro e fora do ambiente acadêmico. Por meio de supervisão e adoção de iniciativas colaborativas, esses indivíduos desenvolvem com facilidade as habilidades sociais, de comunicação e de construção da confiança.

Observar o empoderamento em ambiente acadêmico é apenas um dos papéis a ser desenvolvido pelos professores. Essa atuação vai ajudar a localizar os alunos que são capazes de influenciar de forma positiva os demais além de desmontar o antigo costume de tomadas de decisão centrada apenas no educador. O aluno ganha voz para participar do plano de ensino, contribuindo com novas ideias e pontos de vista.

Empreendedorismo

Antes de tudo, não se pode confundir empreendedorismo com a criação de trabalhos informais por necessidade. O conceito de cidadão empreendedor vai muito além e representa autonomia, ideias criativas e vontade de inovar. Dentro de empresas, por exemplo, empreendedores são bem vistos por, na maioria das vezes, explorarem o novo.

O ensino tem como missão formar cidadãos competentes e bem sucedidos. Entretanto, a prática acaba cedendo espaço apenas para o conhecimento estritamente técnico, minimizando o aprendizado social e, muitas vezes, reprimindo a criatividade.

A educação é um dos mais importantes agentes na formação de pessoas empreendedoras e deve olhar para o desenvolvimento social e acadêmico dos power pupils, sempre com o cuidado de não preparar para o mundo apenas dois grupos distintos: chefes e subordinados.  

O sucesso da sociedade não está em organizações compostas por quem manda e quem obedece, mas sim baseadas no respeito ao próximo, na escuta ativa e nas lideranças em diferentes níveis.

Oferecer atividades dentro e fora da escola, sempre aliadas com novidades tecnológicas, pode propiciar uma visão completa das áreas de conhecimento e preparar de fato alunos empoderados para as demandas do mercado e do coletivo.

Uma geração comprometida

O empoderamento permite não só que estudantes alcancem autonomia, mas tomem consciência de suas capacidades, talentos, confiança, criatividade e a não-passividade em sala de aula. Dessa forma, o ambiente se torna não passivo e mais aberto ao aprendizado.

Jovens power pupils apresentam características muito marcantes da geração Z justamente por serem, em sua maior parte, pessoas que ainda não alcançaram a fase adulta e estão mais dispostos a acompanhar as transformações da indústria 4.0.

  • São nativos digitais e em 2030 serão a maioria entre os consumidores
  • São mais engajados socialmente, têm a mente aberta, são práticos e individualistas e se baseiam na lógica para achar soluções
  • São tolerantes e abertos ao diálogo
  • Preocupam-se com temas como a sustentabilidade e o bem do planeta
  • São multitarefas e abertos às mudanças
  • São desapegados em relação às coisas materiais

Preparado para ser um power pupil no seu ambiente acadêmico?

09 de Dezembro
19hs
Venture Building e as Startups e lançamento do "PECEGE Go Academy"
Palestrante - Joaquim Henrique da Cunha Filho
10 de Dezembro
19hs
Empreendedorismo como opção de carreira
Palestrante - Anderson Santos
11 de Dezembro
19hs
7 competências para acessar mercado
Palestrante - Eduardo Soriano